28/11/2012

DER contrata projeto de duplicação da Maurílio Biaggi

Roberto Engler

Serviço é o último antes da licitação da obra

 

28/11/2012 - Mais uma passo para a duplicação da Rodovia Maurílio Biaggi (SPA –343, da SP-322) foi dado. O DER (Departamento de Estradas de Rodagem) contratou a atualização do projeto da melhoria. A empresa que vai executar o serviço técnico tem até três meses entregar o planejamento revisto. Este é o último passo antes da publicação da licitação da obra, com custo estimado em cerca de R$ 48 milhões.
O deputado estadual Roberto Engler (PSDB) tem trabalhado para viabilizar a duplicação da Maurílio Biaggi e acredita que, com o projeto pronto, a autorização do governador Geraldo Alckmin saia com mais facilidade.
“Essa atualização do projeto é um grande avanço. Costumo usar sempre a metáfora da construção de uma casa. Quem faz a planta, neste caso o projeto, é porque tem a intenção de construir a casa”, explicou Engler.
Desde o primeiro semestre de 2012, o deputado trabalha para que as melhorias da rodovia possam ser incluídas entre as obras que serão financiadas por meio de recursos do Banco Mundial. “Há uma chance de conseguirmos encaixar a Maurílio Biaggi nesse pacote de estradas. Sei que o amigo Clodoaldo Pelissioni, (superintendente do DER) está avaliando essa hipótese com carinho e esperamos boas notícias para daqui a pouco”, afirmou o tucano.
O deputado Roberto Engler se envolveu com as solicitações de duplicação da Rodovia Maurílio Biaggi desde o ano passado, depois de pedidos do ex-vereador Mané Jorge. Em março deste ano, quando recebeu o título de cidadão pontalense manifestou sua convicção de que a obra será executada em breve. “Estou certo de que o acesso a Pontal será duplicado”, disse, na ocasião.

 

AVENIDA MARIA LIGIA
Por meio do deputado Roberto Engler, Pontal deveria receber R$ 250 mil em recursos estaduais para obras de revitalização da Avenida Maria Ligia Neves Spíndola. Engler e o prefeito Antonio Frederico Venturelli (PMDB) chegaram a assinar o convênio de parceria, no entanto a liberação da verba não deve ocorrer em razão de pendências do município junto ao Cadin (Cadastro Informativo de Créditos não Quitados).
“A partir de agora, débitos como esses impedirão os repasses. Estamos buscando uma solução, mas ela não parece próxima e tudo indica que os recursos devem mesmo ser perdidos”, revelou Engler.