12/03/2012

Calçamento da EE Nena Buck começa em 30 dias

Roberto Engler

Obra intermediada pelo deputado Roberto Engler custará R$ 164 mil

 

12/03/2012 - Na primeira visita do deputado estadual Roberto Engler (PSDB) a Monte Azul Paulista, há quase um ano, ele fez questão de conhecer uma escola. Esteve na Escola Estadual Nena Giannasi Buck, acompanhado da vereadora Onilda Barbosa dos Santos Rocha (PSDB). Recebeu um pedido da diretora Eneida Marta Garcia Souza: a recuperação do calçamento externo da escola. A reivindicação deu mais trabalho do que indicava, mas parece que agora terá solução: Engler recebeu a informação de que, em cerca de 30 dias, a Secretaria Estadual de Educação vai refazer todo o calçamento da unidade escolar.
A FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação), órgão da Secretaria Estadual de Educação responsável por obras, informou ao deputado que serão investidos exatos R$ 164.005 na escola. “Essa é a confirmação que me foi passada pelo presidente da FDE, meu amigo Bernardo Ortiz. Vamos aguardar para que a novidade se confirme”, diz Engler.
A Escola Estadual Nena Giannasi Buck atende 1100 alunos da sexta série do ensino fundamental até a terceira do Ensino Médio. “Lembro-me bem do prédio, de alguns problemas na calçada que oferece riscos a alunos e pessoas que passam por ali. Não sei se no valor está incluso um ou outro pequeno reparo adicional, mas espero voltar à Nena Giannasi em breve para dar um abraço na já amiga diretora Eneida e ver o resultado do trabalho pronto”, afirma o tucano.

 

ACESSA SP
O posto do Programa Acessa SP (internet gratuita) de Monte Azul Paulista já está funcionando há cerca de um mês na Biblioteca Municipal. O posto foi intermediado pelo deputado Roberto Engler juntamente com o prefeito Gilberto Arroyo (PMDB), o vice-prefeito Doutor Paulo Sérgio David (PSDB) e a vereadora Onilda Barbosa dos Santos Rocha.
O Acessa SP funciona em parceria entre o Estado e o município, pela qual a Secretaria Estadual de Gestão Pública arca com a instalação e a manutenção técnica e financeira dos postos e a Prefeitura cede o local que os abrigam e arca com a remuneração dos monitores.
Cada posto representa investimento de cerca de R$ 70 mil do Governo do Estado, mais as intervenções feitas pela Prefeitura para adequação dos locais de instalação. “Muito mais do que o valor investido, importa leque de oportunidades e de inclusão capaz de ser aberto por um posto desses”, afirma Engler.