23/03/2018

Moção repudia desembargadora que discriminou professora com Down

Deputados Roberto Engler e Carlos Neder assinam o documento

imagem_destaque

A professora Débora Seabra

Os deputados estaduais Roberto Engler (PSDB) e Carlos Neder (PT), coordenador e vice-coordenador da Frente Parlamentar de Conscientização sobre a Síndrome de Down, respectivamente, apresentaram, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, a moção de repúdio (17/2018) à desembargadora de Justiça, Marília Castro Neves, por suas declarações discriminatórias contra uma professora com Síndrome de Down.

Justamente na Semana de Conscientização sobre a Síndrome de Down – que se encerra neste sábado (24) –, vieram a público declarações preconceituosas da desembargadora, que já motivaram nota de repúdio da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down e singela e objetiva resposta da professora Débora Seabra, que afirmou que “quem discrimina é criminoso”.

Em sua moção, os deputados Roberto Engler e Carlos Neder se solidarizam com a professora Débora Seabra e com a Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down e engrossam o coro de crítica à postura da desembargadora Marília Castro Neves.

“Tal fato (declarações da desembargadora), além de extrapolar o papel de um membro do judiciário que deveria zelar pela justiça, respeito pelos direitos e pela dignidade da pessoa humana, repercutiu negativamente na imprensa, na sociedade nacional e na vida das pessoas com síndrome de Down, em especial na da professora ofendida, Débora Seabra”, diz o documento.