28/02/2018

Reunião discute ampliação do reajuste do Magistério

Governo vai avaliar se acata alterações propostas pelo deputado Roberto Engler

imagem_destaque

Chico Poli, Volmer Pianca, Barros Munhoz e Roberto Engler

Na tarde de ontem (27), reunião na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo discutiu estender o reajuste a ser concedido pelo Governo do Estado de São Paulo aos profissionais do quadro do Magistério Paulista, por meio do PLC 01/2018, em tramitação no Legislativo. O deputado estadual Roberto Engler (PSDB) quer ampliar o aumento previsto para as classes de suporte pedagógico.

Roberto Engler e os professores Chico Poli e Volmer Áureo Pianca, representantes da Udemo (Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de São Paulo), se encontraram com o líder do Governo da Assembleia Legislativa, deputado Barros Munhoz (PSDB), e explicaram as razões pelas quais defendem a ampliação do reajuste.

O deputado Roberto Engler é autor de emendas que estendem aumento de 7%, previsto no projeto original apenas para os professores de Educação Básica da Rede Estadual, também para as classes de suporte pedagógico. A intenção do parlamentar é beneficiar diretores, supervisores e dirigentes de escolas. Sem alterações no texto do projeto de lei essas últimas categorias receberiam apenas 3,5% de reajuste.

“Se mantido como está, o PLC 01/2018 vai tratar as classes do Magistério de formas diferentes, algo que nunca ocorreu antes. Queremos corrigir essa discrepância e tornar mais justa a previsão de aumento”, disse o deputado estadual Roberto Engler.

O presidente da Udemo, Chico Poli, explicou que o tratamento diferenciado implicaria em prejuízo para a carreira do Magistério. Disse ainda que, se aprovado como está, o PLC provavelmente vai implicar em questionamentos judiciais, uma vez que há vasto e firme anteparo legal que determina isonomia entre as classes que compõem o Magistério.

Por solicitação do deputado Barros Munhoz, o deputado estadual Roberto Engler vai levantar o custo orçamentário que seria gerado por meio das alterações propostas por suas emendas, a fim de subsidiar negociação com o Poder Executivo. “Com a previsão financeira, acreditamos que o Governo compreenda que é possível acatar as emendas”, revelou o deputado Roberto Engler.

Quando aprovado, o pagamento do reajuste aos profissionais do quadro do Magistério e dos demais servidores estaduais contemplados pelo PLC 01/2018 será retroativo a 1º de fevereiro.