16/03/2017

Criação do Aglomerado Urbano será discutida na segunda-feira

Autoridades estaduais vão falar sobre os avanços da integração regional

É na segunda-feira, às 10 horas, no Hotel Dan Inn, em Franca. Cidadãos de toda a região vão poder tirar suas dúvidas sobre o que significa a criação do Aglomerado Urbano da Região de Franca. A mobilização pela integração e fortalecimento regionais tem um novo capítulo, com a participação do subsecretário de Desenvolvimento Metropolitano, Edmur Mesquita, e do diretor vice-presidente da Emplasa (Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano), Luiz José Pedretti, que vão expor as características de um Aglomerado Urbano e responder a eventuais questões.


A visita das autoridades estaduais atende convite do deputado estadual Roberto Engler (PSDB), que, juntamente com o deputado federal Adérmis Marini (PSDB) e o G6 (Grupo Político Econômico Suprapartidário de Franca), está organizando a reunião.


“É a grande oportunidade para que todos compreendam exatamente os avanços que a criação do Aglomerado Urbano pode trazer para a nossa região. Ao mesmo tempo, queremos reunir o maior número de pessoas, para demonstrar ao secretário Edmur Mesquita que as nossas cidades querem e merecem esse avanço”, disse o deputado estadual Roberto Engler.


Lideranças civis e políticas de toda a região foram convidadas para o encontro. Será possível saber como estão sendo realizados os estudos da Emplasa sobre a região e estabelecer outros passos a serem dados em breve.


A princípio, o Aglomerado Urbano seria formado por Aramina, Buritizal, Cristais Paulista, Franca, Guará, Igarapava, Ipuã, Itirapuã, Ituverava, Jeriquara, Miguelópolis, Patrocínio Paulista, Pedregulho, Restinga, Ribeirão Corrente, Rifaina, São Joaquim da Barra e São José da Bela Vista, totalizando 18 cidades. Não está afastada, no entanto, a hipótese de inclusão de outros municípios vizinhos, a depender dos estudos que vêm sendo realizados pela Emplasa.


A criação de um Aglomerado Urbano traz potenciais ganhos para as cidades envolvidas e busca, acima de tudo, encontrar soluções intermunicipais para os problemas da região em diferentes áreas, especialmente Mobilidade Urbana, Transporte, Saúde, Infraestrutura e Meio Ambiente.


A definição de políticas públicas para um conjunto de municípios tende a resultar em mais facilidade para a captação de investimentos e em soluções ao mesmo tempo mais eficientes e mais baratas. Facilita, ainda, o planejamento de médio e longo prazo para a região.


As ações a serem empreendidas no Aglomerado Urbano passam pela deliberação de dois conselhos, o de desenvolvimento e o consultivo. O primeiro é composto por representantes das prefeituras e do Governo do Estado. O segundo é formado por câmaras temáticas, com a participação da sociedade civil.


O estado de São Paulo tem, atualmente, dois Aglomerados Urbanos já criados, nas regiões de Jundiaí e Piracicaba.