22/02/2017

Roberto Engler solicita informações sobre a duplicação da Ronan Rocha

Parlamentar deseja saber quando obra ficará pronta

imagem_destaque

Roberto Engler durante reunião da Comissão de Transportes e Comunicações

O deputado estadual Roberto Engler (PSDB) apresentou requerimento à Comissão de Transportes e Comunicações da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo solicitando informações da Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) sobre o andamento das obras de duplicação dos 9,5 quilômetros da Rodovia Ronan Rocha entre Patrocínio Paulista e Itirapuã.

Com previsão de investimento de mais de R$ 71 milhões, a obra está sob gestão da concessionária que administra a estrada, com fiscalização e gerenciamento da Artesp. Iniciada oficialmente no começo de abril de 2016, o prazo estipulado para conclusão da duplicação era de 10 meses.

No requerimento, o deputado estadual Roberto Engler questiona, entre outras coisas, quanto da obra já foi concluído, qual a atual previsão para o término das melhorias e se a estimativa inicial de gastos permanece a mesma.

“Como os dez meses citados inicialmente já transcorreram, queremos obter um quadro momentâneo da obra e também saber quando ela deve realmente ser entregue”, disse o deputado Roberto Engler.

O requerimento de informações foi dirigido à Comissão de Transportes e Comunicações e precisa ser votado pelo órgão temático antes de ser enviado à Artesp. A apreciação da matéria só deve ocorrer ao longo de março.


A OBRA
O trecho de duplicação da Ronan Rocha está compreendido entre os quilômetros 10,5 e 20. Além da implantação de pista dupla, uma nova ponte será feita sobre o Rio Sapucaizinho e três importantes dispositivos melhorarão a segurança da via, em especial no acesso ao município de Itirapuã (altura do quilômetro 11).

Com apoio do deputado estadual Roberto Engler e de diversas lideranças locais ao longo do tempo, o esforço pela duplicação da Ronan Rocha entre Patrocínio e Itirapuã é antigo. A duplicação se tornou viável em razão de cláusula contratual constante na concessão desse trecho da rodovia, segundo a qual a obra seria realizada conforme o tráfego existente no trecho.

O critério estabelecido no contrato entre o Governo do Estado de São Paulo e a concessionária diz que, para a duplicação, o número médio de veículos que utilizam a via deveria superar a marca de 5 mil/dia, patamar ultrapassado em 2015.