16/02/2017

Autoridades estaduais vão discutir o Aglomerado Urbano em Franca

Encontro deve reunir lideranças políticas e civis de toda a região

No próximo dia 20 de março, atendendo convite do deputado estadual Roberto Engler (PSDB), o subsecretário de Desenvolvimento Metropolitano, Edmur Mesquita, e o diretor vice-presidente da Emplasa (Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano), Luiz José Pedretti, estarão em Franca para debater a criação do Aglomerado Urbano da região. O encontro deve ocorrer às 10 horas, no Hotel Dan Inn, e vai reunir lideranças política e civis.


Mesquita e Pedrretti devem esclarecer detalhes sobre como se dá a criação do órgão intermunicipal e também sobre como é o seu funcionamento. A integração regional permitirá unificar o planejamento e a implantação de políticas públicas em determinadas áreas temáticas.


“É uma oportunidade para que todos possam entender melhor o que significa a criação do Aglomerado Urbano e também para termos um posicionamento do Governo sobre a fase em que estão os estudos sobre a nossa região. Pretendemos reunir o máximo de segmentos possível em uma reunião ampla e aberta”, revelou o deputado Roberto Engler.


O parlamentar tem buscado envolver lideranças civis e políticas na articulação pelo Aglomerado Urbano. Há uma semana, obteve o apoio do G6 (Grupo Político Econômico Suprapartidário de Franca), formado pela Acif (Associação do Comércio e Indústria de Franca), pela Cocapec (Cooperativa de Cafeicultores e Agropecuaristas), pela Maçonaria, pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), pelo Sindifranca (Sindicato das Indústrias de Calçado de Franca) e pela Unimed. 


Nos próximos dias, já estão confirmados outros contatos para solidificar a mobilização pelo Aglomerado Urbano. Entre os envolvidos, estão o deputado federal Adérmis Marini (PSDB), a Câmara Municipal de Franca e lideranças políticas das cidades da região. "Ao longo da próxima semana, já temos vários contatos agendados. Pouco a pouco, mais elementos essenciais vão se juntando á nossa mobilização", afirmou o deputado Roberto Engler.


A princípio, o Aglomerado Urbano seria formado por Aramina, Buritizal, Cristais Paulista, Franca, Guará, Igarapava, Ipuã, Itirapuã, Ituverava, Jeriquara, Miguelópolis, Patrocínio Paulista, Pedregulho, Restinga, Ribeirão Corrente, Rifaina, São Joaquim da Barra e São José da Bela Vista, totalizando 18 cidades. Não está afastada, no entanto, a hipótese de inclusão de outros municípios vizinhos, a depender dos estudos que vêm sendo realizados pela Emplasa.


A criação de um Aglomerado Urbano traz potenciais ganhos para as cidades envolvidas e busca, acima de tudo, encontrar soluções intermunicipais para os problemas da região em diferentes áreas, especialmente Mobilidade Urbana, Transporte, Saúde, Infraestrutura e Meio Ambiente.


A definição de políticas públicas para um conjunto de municípios tende a resultar em mais facilidade para a captação de investimentos e em soluções ao mesmo tempo mais eficientes e mais baratas. Facilita, ainda, o planejamento de médio e longo prazo para a região.


As ações a serem empreendidas no Aglomerado Urbano passam pela deliberação de dois conselhos, o de desenvolvimento e o consultivo. O primeiro é composto por representantes das prefeituras e do Governo do Estado. O segundo é formado por câmaras temáticas, com a participação da sociedade civil.


O estado de São Paulo tem, atualmente, dois Aglomerados Urbanos já criados, nas regiões de Jundiaí e Piracicaba.



Atualizado em 13/03/2017, às 18h21.