31/03/2016

Leis oficializam nomes de trevos em Guaíra e Miguelópolis

Normas são fruto de projetos do deputado estadual Roberto Engler

A publicação de duas leis estaduais, na última terça-feira (29), oficializou a denominação de dois trevos em Guaíra e Miguelópolis. As normas são fruto de projetos de autoria do deputado estadual Roberto Engler (PSDB).

A lei 16.176 é fruto do projeto de lei 144/2015, apresentado depois de solicitação do vereador guairense José Mendonça (PDT), e dá o nome de Dr. Heráclito da Motta Luiz o dispositivo de entroncamento, acesso e retorno localizado no quilômetro 124 da Rodovia Fábio Talarico, na confluência com a estrada vicinal Joaquim Garcia Franco, em Guaíra.

A lei 16.185 é resultado da aprovação do projeto de lei 838/2015 e dá o nome de Said Abdala Zeme ao dispositivo de entroncamento, acesso e retorno com viaduto localizado no quilômetro 38 da Rodovia Paulo Borges de Oliveira, no entroncamento com a Rodovia Norival Pereira Mattos, em Miguelópolis.

“São justas homenagens a pessoas que construíram, cada uma à sua maneira, belas histórias de vida, com significativas contribuições às comunidades a que pertenceram”, afirmou o deputado estadual Roberto Engler.


BIOGRAFIAS

Dr. Heráclito da Motta Luiz
Heráclito da Motta Luiz nasceu em 1921, no município de Monte Azul Paulista, filho de Joaquim Luiz e de Florência da Motta Luiz. Formou-se em Engenharia Civil pelo Mackenzie em 1946, com especialização na Escola Politécnica da USP, como Oficial do Exército Brasileiro. 

Em 1951, casou-se com Dona Lúcia Diniz Junqueira e continuou trabalhando em São Paulo. O casal teve dois filhos: Eduardo Junqueira da Motta Luiz e Otávio Junqueira Motta Luiz. 
Em 1963, mudou-se para Orlândia, em fazenda doada por Edmundo Diniz Junqueira e sua esposa Wanda Ferreira Junqueira. Inciou, com seus filhos, a criação de cavalo manga-larga e gado nelore. 

A Fazenda Rosário, onde se situa hoje a Usina Açucareira Guaíra, era de criação extensiva de gado nelore e lavoura. Em 1979, a família decide atuar no ramo da produção de álcool e funda a Destilaria Guaíra. 

Em 1982, a empresa iniciou sua primeira safra com a produção de 120 mil litros de álcool. Em 1993, inicia a fabricação de açúcar e a empresa passa a denominar-se Usina Açucareira de Guaíra Ltda. 

Heráclito da Motta Luiz sempre foi um sonhador visionário que amava o que fazia. Morador de Orlândia, visitava a empresa todos os dias, acompanhando seu funcionamento junto com os filhos, pois a empresa era sua paixão. 

Infelizmente, em 1995, Heráclito da Motta Luiz veio a falecer aos 74 anos.


Abdala Zemi
Filho dos libaneses Abdala Zemi e Tufia Calil Zemi, Said Abdala Zemi nasceu pouco depois da chegada de seus pais ao Brasil. A família Zemi se estabeleceu em Guaíra, onde tiveram outros filhos, antes que o patriarca Abdala Zemi viesse a falecer, quando Said Abdala Zemi tinha apenas 15 anos. 

Said passou a ajudar sua mãe na loja da família e na comercialização de mercadorias na zona rural. Uma curiosidade dessa época da vida do garoto está no fato de que, mesmo se deslocando a pé, muitas vezes chegava às fazendas antes de outros vendedores. 

Há relatos de que outros comerciantes, que faziam os mesmos percursos por meio de carroças, incentivavam seus cachorros a atacá-lo, buscando evitar que ele abordasse os clientes primeiro. Essa história fez com que o então prefeito de Orlândia, Coronel Chico Orlando, lhe fornecesse um cavalo para ser usado em seu trabalho. Assim, Said visitava todas as fazendas da região de Miguelópolis
.
Nos trajetos que percorria, contribuía para abrir e alargar as estradas. Possuía uma loja no Guaritá, ajudando muito no alargamento desta estrada para a passagem da Jardineira. 
Mesmo trabalhando desde menino, alimentou o sonho de um dia ser advogado, se tornando um autodidata em leis. Casou-se, criou os irmãos e a sua família e buscou sempre atender àqueles que lhe pediam ajuda. 

Trabalhou em diversas atividades: foi mascate, comerciante, agricultor, teve selaria e ainda aprendeu a construir canoas e barcos. Após muito tempo de trabalho duro, conseguiu comprar a sua primeira terra. 

Viveu em Guaíra por 90 anos, com seus filhos e netos. Infelizmente, em 2013, Said Abdala Zeme faleceu vítima de insuficiência respiratória.