24/02/2016

Roberto Engler pede que Alckmin ouça ‘o panelaço da Alta Mogiana’

Em pronunciamento, deputado expõe ‘ebulição’ causada pela intenção de colocar novos pedágios na região

imagem_destaque

Roberto Engler na tribuna da Assembleia

Na tribuna da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, hoje (24), o deputado estadual Roberto Engler (PSDB) escancarou a insatisfação da região de Franca com os planos da Artesp (Agências de Transporte do Estado de São Paulo) de colocar novas praças de pedágio nas rodovias Cândido Portinari, Ronan Rocha e Altino Arantes. Com frases duras, Roberto Engler conclamou o Governo do Estado e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) a ouvir o que “o panelaço da Alta Mogiana” e rever os planos.


“Você acha que o povo vai ficar ordeiro, assistindo a esse chamado para pagar a conta: ‘Vem cá, vem cá. Senta aqui’. ‘Não, já almocei’. ‘Senta aqui que eu preciso de alguém pra pagar a conta...’ Pelo amor de Deus! Quem faz isso? É claro que a região está indignada. A região está em ebulição. É um panelaço. É o panelaço da Alta Mogiana. Para que as autoridades, o governador, o diretor geral da Artesp ouçam o clamor da população”, disse em trecho de sua fala, que causou grande repercussão.


O parlamentar elencou as ações empreendidas por vários grupos da região no sentido de combater a ideia dos novos pedágios, citando o manifesto de 22 associações comerciais, encabeçado pela Acif (Associação do Comércio e Indústria de Franca), reuniões do Comam (Consórcio dos Municípios da Alta Mogiana), moções das Câmaras Municipais de várias cidades e ações do Movimento Não ao Pedágio, desde o fechamento das estradas até o enterro simbólico do governador Geraldo Alckmin, previsto para a próxima sexta (26).


“Os governos existem para o bem-estar da população. Não é a população que existe para tapar buraco financeiro dos governos”, enfatizou o parlamentar.


Roberto Engler ainda falou sobre o esforço feito para colocar diretamente ao governador Geraldo Alckmin toda a argumentação da região contras as novas praças de pedágio. “Tenho de ser um interlocutor da população junto às autoridades. E eu tentei ser. Eu não consigo falar com o governador. Como pode acontecer isso? Ele não me atende”, revelou.


“Virar as costas para o deputado Roberto Engler não tem importância. Mas virar as costas para uma região toda, com mais de 700 mil pessoas, isso não é forma de governar um estado”, completou.


O deputado estadual da região de Franca ainda lembrou um ensinamento do ex-governador Mário Covas. “Mário Covas sempre dizia: ‘ao atender uma pessoa, não estou atendendo a pessoa, mas estou atendendo todo mundo que está atrás dessa pessoa, a quem ela representa’. O governador Geraldo Alckmin tinha que aprender essa lição”, afirmou.


Roberto Engler expôs, no telão do plenário da Assembleia Legislativa, compromisso assumido pelo então secretário estadual de Transportes, Clodoaldo Pelissioni, em entrevista à Imprensa de Franca, de que a Rodovia Cândido Portinari seria duplicada “sem pedágios, nem mesmo futuramente”. Em seguida, exibiu também frase emitida pelo atual secretário estadual de Transportes, Duarte Nogueira, há cerca de 10 dias, de que “desconhece” tal compromisso.


Notas enviadas pela Artesp à Imprensa de Franca também foram tema da fala do deputado, especialmente a alegação da agência de que, com as novas concessões, “Franca e região ganharão uma ligação mais eficiente e mais segura com o Paraná”, o que justificaria a instalação de novos pedágios.


“Ou ele (Giovanni Pengue Filho - diretor geral da Artesp) pensa que nós somos muito pouco inteligentes ou ele tá gozando a gente. Das duas uma. (...) Isso é uma brincadeira. (...) Então a gente tava convocando o Giovanni Pengue para vir explicar essa e outras baboseiras que ele fala aqui (nas notas enviadas à Imprensa)”. O Requerimento de Convocação apresentado pelo parlamentar não foi votado pela Comissão de Transportes, ontem (23), devido a articulação da Artesp.


Após o pronunciamento, Roberto Engler resumiu o significado de sua fala na tribuna da Assembleia Legislativa. “Já que não foi possível expor todo o problema pessoalmente, nossa posição, minha e da região de Franca, foi colocada publicamente. O Governo diz que vai ouvir a população. E a população, por meio de seus representantes, não vai para de falar”, disse o deputado. 



REPERCUSSÃO NA ASSEMBLEIA

A fala do deputado Roberto Engler foi sucedida por várias outras, de parlamentares de diferentes partidos. O presidente estadual do PSDB-SP, deputado Pedro Tobias, afirmou que “com bom senso, uma saída satisfatória para o problema será encontrada”.


O líder do Governo, deputado Cauê Macris (PSDB), se prontificou a colaborar para que o problema seja resolvido e foi replicado pelo próprio deputado Roberto Engler: “Eu gostaria que Vossa Excelência apenas fizessem com que o governador me recebesse para que eu pudesse expor as razões pelas quais eu acho que está sendo cometida uma grande injustiça”.


O deputado Carlos Giannazi (PSOL) aproveitou o ensejo para criticar a política de concessões do Governo do Estado de São Paulo. O deputado Gilmaci Santos (PRB) foi outro a compartilhar a dificuldade que tem tido para ser recebido por secretários estaduais. 


Em outro pronunciamento, o deputado estadual Raul Marcelo (PSOL) abordou os planos de instalação de novos pedágios na região de Sorocaba. Citando matéria do Jornal Cruzeiro do Sul e promessa feita pelo governador Geraldo Alckmin, em 1º de abril de 2011, de que a SP-264 – Rodovia João Leme dos Santos – seria duplicada sem pedágios, questionou a mudança de planos, agora anunciada também para a região de Sorocaba.