29/12/2015

Audiência pública vai discutir concessões na região de Franca

Em visita à cidade, governador falou sobre pedágios

Em visita a Franca, hoje (29), o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que audiência pública a ser realizada em janeiro (data exata ainda não confirmada, mas provavelmente no dia 11) deve discutir a concessão de novos trechos de rodovias na região de Franca, em especial da Rodovia Cândido Portinari entre Franca e Rifaina. 

Questionado diretamente sobre a implantação de novos pedágios, o governador se limitou a dizer que atuais trechos concessionados devem ser agrupados aos novos, entre os quais estão segmentos das rodovias Cândido Portinari e Fábio Talarico, e que acredita que os preços dos pedágios já existentes devem cair.

Abaixo, a transcrição do principal trecho da fala do governador Geraldo Alckmin, que voltou a reafirmar a licitação de quatro novos grandes lotes de concessões de estradas paulistas, com investimentos de mais de R$ 10 bilhões. Um desses lotes inclui a Cândido Portinari.

“Agora em janeiro, haverá audiência pública aqui na região pra discutir. Qual a vantagem? Vamos até a divisa de Minas Gerais, até o Rio Grande, concessionado. (...) O pedágio vai ser discutido na audiência pública. Agora eu tenho a impressão de que os pedágios antigos, o valor vai cair (...) A concessão antiga vai entrar na nova, já que ela (a antiga) vai acabar daqui a dois anos. Então nós já estamos incluindo as concessões antigas nesse lote. Há uma expectativa de que (o preço dos pedágios já existentes) possa reduzir”.

“Entre janeiro e abril, o modelo das novas concessões deve ser definido, para que a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) publique os editais públicos de licitação. Já manifestamos, oficial e documentalmente, nossa opinião contrária à implantação de novos pedágios na região ao governador Geraldo Alckmin”, afirmou o deputado estadual Roberto Engler (PSDB).

Para o parlamentar, a audiência pública será outro momento propício para que a sociedade participe diretamente dessa definição. “Não apenas as lideranças políticas e civis, mas todos aqueles que possam estar presentes devem participar do encontro, opinar e debater o assunto, sugerir, expor suas ideias. Essa é a oportunidade que a população tem para se mobilizar”, completou Roberto Engler.