10/08/2015

Estado vai mapear setor calçadista paulista

Fundação vai pesquisar cadeia de valor do calçado

O Governo do Estado, em parcerias com entidades representativas, vai mapear o setor calçadista paulista. A iniciativa já tem planejamento estabelecido e deve ser concluída até o fim do ano. A intenção é levantar informações que permitam aos empresários realizar e aprimorar seu planejamento estratégico de negócios.

Representantes dos três principais polos coureiro-calçadistas paulistas (Birigui, Franca e Jaú) se reuniram na última semana com representantes da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação e da FIA (Fundação Instituto de Administração), entidade que realizará o serviço, para estabelecer uma agenda para a realização de um mapeamento do setor no estado de São Paulo. O encontro aconteceu na sede do Sindifranca (Sindicato da Indústria de Calçados de Franca).

O projeto foi um pedido dos empresários ao Governo Paulista, por meio do Comitê Permanente Estadual dos Setores de Calçados, Couro e Artefatos, criado pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico em outubro de 2013.

De acordo com Dolores Maria dos Santos, coordenadora de desenvolvimento regional e territorial da secretaria, a iniciativa integra um programa para o fortalecimento dos APLs (Arranjos Produtivos Locais) paulistas, fruto de uma parceria entre o governo do estado de São Paulo, o Sebrae-SP e a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) que começou em junho de 2008, com investimentos de cerca de R$ 2,5 milhões financiados pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). 

"Esse recurso foi dividido entre projetos para desenvolvimento de design, capacitação gerencial e agora mapeamento da cadeia produtora do setor coureiro-calçadista. Apenas para esta pesquisa, foram destinados R$ 573 mil”, disse Dolores.

Para o deputado estadual Roberto Engler (PSDB), representante de Franca e região na Assembleia Legislativa do Estado, a novidade é importantíssima. “Todos sabemos que o sucesso empresarial passa pelo planejamento. Por isso, compreender o setor e o mercado será um trunfo essencial para os calçadistas de todo o estado, em especial de Franca, de Jaú e de Birigui”, afirmou Roberto Engler.

A pesquisa deve ser voltada para estabelecer a "Estratégia para a Competitividade do Setor Coureiro-Calçadista Paulista”. O professor e consultor da FIA, Diego Coelho, explicou que o projeto tem mais três fases: desenho dos instrumentos; pesquisa de campo e análise dos dados; e apresentação dos resultados. 

Para o presidente do Sindifranca, José Carlos Brigagão do Couto, essa "qualificação de demandas” dará suporte aos pleitos do setor. "Teremos condições de apresentar nossos problemas apoiados em um estudo legítimo de uma entidade que tem credibilidade”, disse. 

Os resultados estão previstos para serem apresentados no final de novembro. O método apresentado pela FIA pretende consolidar um estudo sobre problemas de competitividade dos APLs paulistas para entender a dinâmica setorial (mundial), a partir da dinâmica regional. 

"Faremos uma avaliação dos APLs, cruzando-os com a ideia de cadeia de valor, que é mais elaborada. Vamos estudar as relações dentro do arranjo. Qual é a participação de cada ator e como eles agregam valor ao produto”, explicou o professor Diego Coelho.

Um cronograma foi estabelecido com consultas quantitativas e qualitativas ao setor. Os empresários devem preencher formulários pela internet e serão entrevistados pessoalmente. 

Para que os industriais entendam a importância do estudo para o setor, estão programados encontros de sensibilização em Birigui (27/8), Franca (3/9) e Jaú (15/9). "Fizemos o planejamento estratégico do sindicato, agora, esse trabalho levará também ao planejamento do setor”, ressaltou José Carlos Brigagão do Couto.

Com informações do SindiFranca.