06/02/2015

Capela da antiga Unesp será reinaugurada na quarta-feira

Reabertura ocorre no dia Nossa Senhora de Lourdes, santa que dá nome ao espaço

imagem_destaque

Reforma buscou respeitar ao máximo características originais da capela

Quarta-feira, 11 de fevereiro, dia de Nossa Senhora de Lourdes. A data foi caprichosamente escolhida para a reinauguração da capela do antigo campus da Unesp – Universidade Estadual Paulista –, no Centro de Franca. O espaço erguido no fim do século XIX leva o nome da santa, passou por uma grande reforma e será reaberto às 9h30.

A solenidade está sendo coordenada em conjunto pela Diocese de Franca e pela Unesp. Autoridades locais e ex-alunas do antigo Colégio Nossa Senhora de Lourdes foram especialmente convidadas. Entre outros atos, uma celebração vai ser realizada.

“É um patrimônio histórico de nossa cidade, com mais de 120 anos de história, que foi totalmente recuperado e volta a estar aberto à comunidade. Sem dúvida, é um motivo de grande alegria para Franca e para os francanos, uma verdadeira conquista”, diz o deputado estadual Roberto Engler (PSDB), que teve papel fundamental na reforma da Capela Nossa Senhora de Lourdes.

Os reparos feitos no espaço, que ainda é da universidade, mas está sob gestão da Diocese de Franca, duraram seis meses e foram possíveis graças a recursos do Governo do Estado de São Paulo conseguidos pelo deputado Roberto Engler. O parlamentar reforçou o orçamento da Unesp com R$ 500 mil adicionais destinados à obra.

Recuperação de piso e detalhes originais, pintura e envernização, novos vidros, substituição de fiação elétrica e sistema de som foram algumas das intervenções realizadas. Imagens também foram restauradas. A reforma respeitou ao máximo a disposição original da capela.

A previsão inicial de custo foi de R$ 435 mil, mas, ao fim do trabalho, esse valor caiu para R$ 292 mil. O espaço tem pouco mais de 300 metros quadrados e deve passar a receber celebrações e casamentos.

A Capela de Nossa Senhora de Lourdes foi fundada pela Madre Superiora Maria Teodora Voiron, membro das Irmãs de São José de Chambéry. Sua construção se deu por volta do ano de 1888. O espaço esteve fechado por aproximadamente 20 anos.