17/06/2014

Maio Amarelo: ações de educação no trânsito

Mês seria preenchido com trabalho preventivo e por mais segurança

imagem_destaque

Roberto Engler na tribuna da Assembleia Legislativa

O projeto de lei 844/2014, de autoria do deputado estadual Roberto Engler (PSDB), pretende criar, no estado de São Paulo, o Maio Amarelo, com ações de prevenção e educação pela diminuição de vítimas e acidentes de trânsito. A proposta já está tramitando na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.


De acordo com o projeto, ficaria a cargo do Detran coordenar as ações em apoio ao movimento, podendo o órgão buscar apoio de entidades privadas e do terceiro setor para colocá-las em prática. A intenção é promover a reflexão de cada um sobre suas ações diárias no trânsito.


“Levar mensagens importantes, como a importância do cinto de segurança, a proteção ao pedestre, os riscos de beber e dirigir. A ideia é que o estado oficialize o mês de maio como um período de reforço à conscientização dos motoristas e dos cidadãos de forma geral”, afirma o deputado estadual Roberto Engler.


O Movimento Maio Amarelo surgiu mundialmente em 2011, quando a ONU (Organização das Nações Unidas) estabeleceu a atual década como a década de ações para segurança no trânsito. “Já temos iniciativas importantes ocorrendo no mês de maio em outros estados e São Paulo não pode ficar para trás desse movimento que é amplo”, diz o deputado Roberto Engler.


O Maio Amarelo é um movimento similar a outros, como o Outubro Rosa (em prol do combate ao câncer de mama) e o Novembro Azul (a favor do combate ao câncer de próstata e já oficializado em São Paulo pela lei 15.430, de autoria do deputado Roberto Engler), que já obtiveram grande sucesso em suas ações. 


A escolha da cor remete ao semáforo, em que o amarelo significa atenção. “Vale a pena reafirmar que a ideia inicial do movimento é que cada um de nós reavalie a forma como se comportam quando deixam suas casas em direção ao trabalho, à escola ou a qualquer outro lugar. Ou seja, vale para os motoristas, mas não apenas para eles”, ressalta Engler.


Segundo dados da ONU, mais de 1 milhão de pessoas morrem em acidentes de trânsito a cada ano. Somente no Brasil, segundo dados da Organização Mundial de Saúde, são 44 mil anualmente. O País tem um pacto com a ONU para reduzir, em 50%, esse número de mortes.