27/05/2014

Diretor do Itesp visita Assentamento Boa Sorte, em Restinga

Retirada de tocos vai aumentar terras cultiváveis do assentamento

imagem_destaque

Roberto Engler e Marcos Pila

O diretor do Itesp (Instituto de Terras do Estado de São Paulo), Marco Aurélio Pila de Souza, visita o Assentamento Boa Sorte, em Restinga, na próxima quinta-feira (29). Às 9h30, acompanhado do deputado estadual Roberto Engler (PSDB), o diretor anuncia investimentos para retirar tocos de árvores que atrapalham o cultivo da terra da maior parte dos lotes do assentamento.

O destocamento, ou destoca, como é chamada a retirada dos troncos que restam na terra após o corte das árvores, será possível graças a R$ 800 mil em recursos adicionais incluídos pelo deputado no orçamento do Itesp para este ano. Engler e Pila combinaram que esse dinheiro seria justamente para que as famílias do assentamento vizinho a Franca fossem beneficiadas.

“Desde a metade do ano passado, temos discutido essa ação importante para que as famílias da Boa Sorte possam produzir e garantir seu sustento. Há bastante tempo, houve o corte dos eucaliptos para que se pudesse fazer o plantio, mas a maior parte dos tocos não foi arrancada e atrapalha demais o bom uso da terra”, afirma o deputado estadual Roberto Engler.

Segundo o Itesp, a área estimada com necessidade de destocamento é de 900 hectares e, com a verba de R$ 800 mil que será investida agora, será possível solucionar o problema de aproximadamente 25% desse total, cerca de 230 hectares.

Essa metragem que receberá os serviços será dividida pela quantidade de lotes que necessitam do serviço, para que cada uma das famílias seja beneficiada igualmente. “Dessa forma, teremos uma divisão justa dos ganhos em termos de área”, garante Engler.

A expectativa é de que nesta quinta-feira (29) o diretor do Itesp, Marcos Pila, já anuncie a data do início dos serviços durante a visita ao Assentamento Boa Sorte. “É para muito em breve”, revela o deputado Roberto Engler.

O Assentamento Boa Sorte, em Restinga, foi implantado em 1998 e possui 159 lotes. Abriga mais de 200 famílias, que promovem atividades de agricultura, em especial a produção de frutas, legumes e verduras, além da criação de animais. A área total dos lotes do assentamento é de 2979 hectares. Pouco menos de 50% dessa área necessita de destoca.