12/02/2014

ETE de São Joaquim depende de licença ambiental e posse de área

Obra de R$ 12 milhões foi discutida em reunião em São Paulo

imagem_destaque

Éder Tavares, Edson Giriboni e Roberto Engler

A liberação de recursos estaduais para a construção da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) de São Joaquim da Barra voltou a ser tema de reunião na Secretaria Estadual de Saneamento e Recursos Hídricos, ontem (11). A expedição de licença ambiental e a regularização da posse da área em que a estação será erguida são tarefas que antecedem a confirmação de repasse de por volta de R$ 12 milhões para a construção de uma estação compacta.

O deputado estadual Roberto Engler (PSDB), os vereadores Éder Tavares (PSDB) e Márcio Ferreira Ceribeli (SDD) e o assessor municipal, Gil Fleming, se reuniram com o secretário estadual de Saneamento e Recursos Hídricos, Edson Giriboni, em São Paulo, tratando da ETE.

Giriboni aguarda a obtenção da licença ambiental e a posse definitiva de terreno de dois alqueires para a obtenção dos recursos. “Reunindo tudo o que for necessário, se for preciso, vamos recorrer até mesmo ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) para que a verba seja assegurada”, disse Engler.

A Prefeitura de São Joaquim da Barra planeja resolver a questão documental da área da Estação e Tratamento de Esgoto até o fim do mês. Para isso, negocia com o Ministério Público. A licença ambiental para o projeto da estação compacta foi solicitada à Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). 

Na manhã de hoje (12), o deputado estadual Roberto Engler esteve na Presidência da Cetesb pedindo que o processo para a obtenção do documento ambiental seja agilizado. “Vamos acompanhar de perto para que as coisas sejam feitas o mais rápido possível. Tenho boas expectativas”, afirmou o deputado Roberto Engler.


ESTAÇÃO COMPACTA
O esforço para conseguir financiamento estadual para a Estação de Tratamento de Esgoto está sendo dirigido no sentido de viabilizar a construção de um modelo de estação compacta. A obra ocuparia uma área de dois alqueires, com valor estimado de R$ 12 milhões. A Prefeitura se disponibiliza a custear parte desse valor.