19/12/2013

Governador propõe bônus para os policiais paulistas

Redução da criminalidade pode render bonificação de até R$ 8 mil por mês

imagem_destaque

Governador sanciona lei em prol da PM

Os policiais de São Paulo devem receber bônus por redução nos índices de criminalidade. O Projeto de Lei que estabelece sistema de metas foi enviado nesta quinta-feira (19), pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) à Assembleia Legislativa de São Paulo. As metas valem para policiais militares, civis e da Polícia Científica.

O plano é baseado em um modelo de gestão desenvolvido em conjunto pela Secretaria da Segurança Pública, comando das polícias e Instituto Sou da Paz. A ação integra o plano “SP Contra o Crime”, anunciado em maio pelo governador.

Foram propostas reduções em curto, médio e longo prazo em três indicadores estratégicos: o número de vítimas de letalidade violenta, o que inclui homicídios dolosos e latrocínios; o número de roubos e o número de roubos e furtos de veículos, contabilizados em uma categoria diferente.

A escolha considerou aspectos como a incidência e o impacto social de cada tipo de crime. O objetivo é reduzir os índices a um número menor do que o já alcançado historicamente. “Enxergo a matéria como acertada, buscando valorizar os policiais em seu desempenho e incentivar a melhoria contínua da atuação na área da Segurança Pública”, afirmou o deputado estadual Roberto Engler (PSDB).

"Os indicadores escolhidos são os mais importantes. O primeiro são os crimes contra a vida redução de homicídio e latrocínio. O segundo, redução de roubos em geral, e o terceiro, roubo e furto de automóvel. É importante reduzir roubo porque reduz o latrocínio," explicou o governador.

A bonificação aos policiais será condicionada ao resultado nestas áreas e pode variar de acordo com o desempenho geral do Estado. "Isso não cria competição, mas cria integração. Todo mundo remando do mesmo lado, na mesma direção para fortalecer a segurança," afirmou Alckmin. Para atingir as metas, as três polícias terão que desenvolver planos de ações em conjunto e atuar de forma integrada.


LEIS SANCIONADAS
O Governo do Estado está investindo no trabalho da Polícia Militar para aumentar a segurança em São Paulo. Quatro leis sancionadas nesta quinta-feira, 19, preveem a criação de cargos administrativos, aumento do teto salarial, promoção para posto imediato e ainda a possibilidade de exercício da função em dias de folga mediante remuneração.

A partir de agora, os policiais militares podem trabalhar voluntariamente nos dias de folgas, com direito a remuneração extra. Os valores das diárias serão de R$ 185,05 para oficiais e de R$ 154,96 para praças. "Isso é um ganha-ganha, porque ganha o policial que tem um aumento no salário, e ganha a sociedade que tem mais polícia na rua, onde há mais necessidade", destacou o governador Geraldo Alckmin.

Por meio de concurso público, cinco mil cargos de oficiais administrativos também serão criados para que substituam gradativamente soldados temporários ao fim de seus contratos. Com as admissões, policiais que atuam nas ruas não precisarão ser remanejados. "A lei libera os policiais militares para o policiamento ostensivo e preventivo para proteger a população", destacou Alckmin.

Uma das leis promulgadas reajusta ainda o teto salarial para o recebimento do auxílio alimentação, que passa a ser de R$ 2.924. Ao todo, 15.900 policiais serão beneficiados.

Outra medida representará um ganho nas aposentadorias pagas aos policiais da reserva, já que a promoção para posto imediato passa a atingir não somente os profissionais que se aposentaram ente 1991 e 2011, mas também para os que encerram suas atividades antes da reforma ocorrida neste período. "Todos os policiais militares ao se aposentarem passam a ter acesso ao posto imediato", concluiu o governador.


Com informações do Portal do Governo do Estado de São Paulo

Foto: Edson Lopes Jr./Governo do Estado